Logo da beegin
seu portal de investimentos alternativos

Preencha seus dados para acessar o conteúdo!

Enviando seus dados, você também receberá por e-mail conteúdos exclusivos em primeira mão.

Ao enviar, você estará concordando com os Termos de Uso e a Política de Privacidade da beegin.

ago 9, 2021
Investidor e regulador buscam mais acesso aos investimentos alternativos
Compartilhe

Os investimentos alternativos estão ficando mais próximos do investidor de varejo. Um estudo realizado pela Assessoria de Análise Econômica e Gestão de Riscos (ASA) da CVM analisou as preferências dos investidores e sugeriu mudanças regulatórias para ampliar o mercado de private equity.

O estudo, intitulado “Investidores no mercado de capitais brasileiro”, buscou entender principalmente os mais de 3,7 milhões de investidores que estão chegando ao mercado de capitais neste momento, especialmente suas preferências e seu entendimento sobre investimentos.

No relatório, o regulador avalia que “ empresas de pequeno e médio porte ainda enfrentam dificuldades em captar recursos além dos tradicionais empréstimos bancários. Portanto, o crescimento das aplicações dos investidores de varejo em valores mobiliários é de grande importância para o financiamento das empresas brasileiras e, consequentemente, para o futuro crescimento econômico no país”. E afirma que “a acumulação de capital, ampliada pela poupança dos trabalhadores, é de fato vista como um dos maiores geradores de crescimento econômico”. 

Parte do estudo envolveu uma pesquisa com investidores qualificados e de varejo. Ela descobriu que o investidor já está atento ao mercado de alternativos: 78% afirmaram ter conhecimento sobre o mercado de private equity, e 47% têm alto interesse em investir, embora, apenas 10% invistam.

Se há interesse, então por que não o fazem? Entre os comentários recebidos na pesquisa da CVM, o principal foi a necessidade de uma regulação mais flexível para que os investidores possam acessar este mercado.

Para endereçar esse interesse, o estudo apresentou propostas para aumentar o acesso do investidor ao mercado de alternativos. Partindo dos dados da pesquisa e benchmarks internacionais, o estudo propôs mudanças regulatórias, como a possibilidade de um fundo de investimento em participações (FIP) captar por meio de oferta pública registrada, com listagem em bolsas de valores. 

Thomas Edison

O aprendizado do regulador com o equity crowdfunding a partir da Instrução CVM 588/2017 foi incorporado nas recomendações. Por este motivo, uma sugestão foi a possibilidade de um FIP captar por meio de plataformas de investimento alternativo. 

O estudo também sugeriu mudanças nas exigências para classificação do investidor como qualificado. Isto também tem o potencial de ampliar o acesso ao mercado de alternativos, uma vez que vários produtos mais sofisticados são restritos a esta classe. Uma das mudanças é a redução do patrimônio mínimo investido dos atuais R$ 1 milhão para 600 salários mínimos. 

Os investimentos alternativos são a nova fronteira de evolução do mercado de capitais. Dar ao investidor a possibilidade de investir em empresas de capital fechado significa viabilizar que eles aportem em negócios com alto potencial de crescimento, ainda mais estimulado com a injeção de capital.

O estudo só reforça que a expansão do mercado de investimentos alternativos é um caminho sem volta. Com a perspectiva de juros reais de um dígito nos próximos anos, o maior apetite de riscos do investidor e o esforço da CVM em desenvolver o mercado de capitais, os gestores agora podem ser criativos no desenvolvimento de produtos financeiros para o varejo. É o que tem feito os ativos não listados em bolsa se tornarem mais acessíveis e seguros ao investidor de varejo. 

E caso as mudanças regulatórias se concretizem, o horizonte se abre ainda mais. Inclusive, possibilidades como um FIP ser listado em bolsa são a realização de antigos sonhos dos gestores de investimentos alternativos.

Artigo publicado originalmente no Estadão.com

Por Patrícia Stille e Rodrigo Fiszman

Patricia Stille e Rodrigo Fiszman são sócios fundadores do Grupo Solum, em conjunto com Pedro Janot e Alexandre Amitay. Ela é a CEO da beegin, plataforma digital de investimentos alternativos do grupo, e ele o CEO da holding

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *