Logo da beegin
seu portal de investimentos alternativos
jul 16, 2021
Por que incluir ativos alternativos em sua carteira
Compartilhe

O mercado de capitais brasileiro está evoluindo, e os chamados ativos alternativos, com perfil de longo prazo e não listados em bolsa, estão ficando mais acessíveis ao investidor. Com isso, o investidor que está em busca de opções possivelmente mais rentáveis precisa olhar para este mercado com mais atenção.

Certamente você lembra de como era confortável para os rentistas (pessoas que acumularam patrimônio em suas vidas e tem boa parte de suas entradas de recursos a partir de renda deste patrimônio) quando a Selic estava na casa dos 14% a.a., por volta dos anos 2015/2016. Na época, quem investia em títulos como a NTN-B (atualmente denominado Tesouro IPCA), por exemplo, tinha alta rentabilidade aliada a baixo risco – por exemplo, os títulos com vencimento em 2045, nesta época chegaram a pagar IPCA+7% a.a.. 

O grande ponto é que o cenário macroeconômico dessa época desincentivava os investidores a tomarem risco – com altos rendimentos atrelados ao menor risco possível (risco do governo), não existia nenhum incentivo para que recursos fossem direcionados para a economia real, gerando novos empregos e fomentando novos negócios. 

Este cenário mudou com a queda da Selic a partir de 2017, que teve como consequência uma virada no mercado de capitais, com boa parte dos recursos antes investidos em renda fixa fossem reinvestidos em ativos de renda variável. Um indicador deste movimento é que, de acordo com a B3, o número de investidores pessoa física operando no mercado de ações era de 3,7 milhões em maio de 2021 – apenas a título de comparação, em 2017 eram pouco mais de 600 mil investidores – um aumento de 5 vezes em menos de 4 anos.  

Como segunda grande derivada dessa mudança macroeconômica, está se abrindo aos investidores uma nova oportunidade de investimento, desta vez no mercado de investimentos alternativos. Fora as questões macroeconômicas, avanços na regulação e na tecnologia estão tornando os investimentos em empresas fora da bolsa acessíveis não somente ao investidor qualificado – aquele com mais recursos e/ou com certificações de mercado financeiro – mas ao investidor de varejo também.

Vale acrescentar que, enquanto no Brasil os ativos alternativos ainda são um nicho com muito pouca participação nos investimentos de maneira geral, nos Estados Unidos e Europa Ocidental os investidores já têm em média entre 10% e 15% do patrimônio alocado em empresas de capital fechado e no longo prazo. Mas este cenário está começando a mudar – diversos produtos começam a ter mais demanda no Brasil, com grandes players trazendo produtos com distribuição mais pulverizada e tickets mínimos cada vez menores, aumentando a penetração deste tipo de produto dentro do grande público.

É importante ficar claro que, diferentemente dos investimentos líquidos, a classe de alternativos não reflete as oscilações de curto prazo do mercado, movidas normalmente por ondas de euforia ou temor. Logo, ao diversificar o portfólio com ativos alternativos, os investidores incorporam à sua carteira ativos sem correlação com as oscilações de curto prazo do mercado financeiro tradicional.

Ao entender como essa dinâmica funciona você pode, além de maximizar o potencial de rentabilidade da sua carteira, investir em empresas que não estão ainda representadas na Bolsa – apesar do crescimento recente no número de empresas que têm suas ações negociadas em tal ambiente, esse número ainda é ínfimo perto da quantidade de oportunidades no mercado privado. 

Thomas Edison

Diversifique seu portfólio com ativos alternativos

Para ilustrar melhor este cenário, considere investir na participação de uma empresa privada, ainda não listada em bolsa, que opera com um produto validado e capaz de gerar lucro entre R$ 2 milhões e R$ 3 milhões. O mais provável é que uma empresa com este perfil não esteja listada na bolsa de valores.  

Agora você pode estar se perguntando: por que não focar diretamente em empresas que abriram o capital e já conquistaram o seu lugar ao sol? Ou, continuar concentrando a maior parte dos seus esforços em investimentos tradicionais e, teoricamente, mais seguros?

Volto a reforçar que a resposta está na importância da diversificação do portfólio, um conceito que deve ser fortalecido dentro da educação financeira. Principalmente, porque os ativos tradicionais de renda fixa ou até indexados pelo CDI também podem levar os investidores a perderem poder de compra com o atual cenário de juros mais baixos.

Portanto, o investimento em empresas de capital fechado merece ser cogitado entre os ativos interessantes na composição e rebalanceamento de portfólios. 

Investigar a possibilidade de alocar um percentual do seu patrimônio em empresas de capital fechado, com probabilidade de aumentar a rentabilidade exponencialmente em 5 e 10 anos, é uma estratégia relevante que pode ajudar a elevar a lucratividade da sua carteira.

Com isso, não estou defendendo que você mude radicalmente o planejamento dos seus investimentos, e sim, alertando para a importância do rebalanceamento do do portfólio. 

O ideal é evitar participações elevadas em um único tipo de ativo, pois é exatamente na diversificação da carteira que residem as melhores oportunidades de construção de um portfólio sólido e rentável. 

Neste quesito, o fortalecimento da educação financeira contribui para que as pessoas entendam melhor o funcionamento da economia. Só assim é possível analisar com embasamento o grau de risco dos investimentos ou onde você pode estar perdendo a chance de ganhar dinheiro.

Ao estudar melhor o mercado financeiro é possível ampliar a sua capacidade analítica e facilitar a tomada de decisões assertivas realmente capazes de impactar positivamente sua carteira de investimentos.

Por Alexandre Amitay

Alexandre Amitay é sócio cofundador e membro do conselho do Grupo Solum. Engenheiro graduado pela PUC do Rio de Janeiro, com MBA pela TelAviv University e pela Michigan University, foi consultor da Bain & Company. É certificado CGA pela Anbima.

Related Post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *